Da salvaguarda de acervo a redes internacionais - conheça as parcerias institucionais da ANPEd

por João Marcos Veiga

Com 39 anos de história completados em 2017, a ANPEd é uma das entidades mais importantes do país no campo de pesquisa e pós-graduação. E a consolidação e continuidade dessa trajetória também se dá através do diálogo com outras entidades, cujas parcerias institucionais firmadas vão da preservação de acervo e fortalecimento da ciência e tecnologia no país a intercâmbios na América do Sul e em outras regiões do mundo, visando o reconhecimento e expansão da Educação, incluindo o protagonismo e escuta aos docentes e pesquisadores da área.

"A ANPEd tem construído relações de diferentes natureza com outras instituições e associações, isto significa poder estar atento ao crescimento dos modos e desafios de ser pesquisador no momento atual", analisa Andrea Gouveia (UFPR), presidente da Associação. "A articulação de longa data com o PROEDES tem permitido assegurar que a história da ANPEd seja preservada e organizada. É certamente preciso reconhecer o longo e virtuoso caminho que temos trilhado nesse sentido. Por sua vez, as articulações com a WERA, SPCE e FORGES permitem avançar em um diálogo internacional de fortalecimento do campo de pesquisa na educação. Relações de reciprocidade podem nos permitir diálogos mais amplos com os desafios da pesquisa no mundo."

Para a presidente da ANPEd, uma das grandes contribuições de uma associação de pesquisadores é a afirmação da importância deste coletivo na produção do conhecimento. "A articulação com outras associações parece-me fortalecer esta possibilidade de ampliar a divulgação da riqueza e amplitude da pesquisa em educação no Brasil. E o grande desafio é que os protocolos assinados, muitos deles em 2016, possam ter mais visibilidade, que possamos avançar para ações que materializem o que estamos chamando de encontros entre pesquisas e pesquisadores. Pensamos que a perspectiva tem que ser de fortalecimento da área de pesquisa em educação em todos os âmbitos", defende Andrea Gouveia.

Conheça um pouco mais sobre as parcerias institucionais da ANPEd, o perfil dessas entidades e os novos contextos de diálogos, oportunidades e trocas que podem ser gerados a partir disso.

Acervo - PROEDES

A ANPEd assinou, em de dezembro de 2015, um Acordo de Cooperação Técnica com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) para preservação e acesso ao patrimônio arquivístico da Associação. O documento formaliza a organização e guarda que já vinha sendo realizada pelo PROEDES - Programa de Estudos e Documentação Educação e Sociedade, vinculado à Faculdade de Educação da UFRJ, no campus Praia Vermelha. O acordo de cooperação representa a consolidação de um importante acervo não apenas institucional, mas também para a construção da memória e do conhecimento na área da Educação, material essencial para as mais diversas pesquisas. Esse imenso acervo já catalogado, que pode ser consultado na UFRJ, também está em fase de digitalização, com parte dele já disponibilizado no portal da ANPEd, como os boletins históricos e a série "Cadernos ANPEd". Em breve todos os documentos estarão disponíveis na Biblioteca Digital da ANPEd. O Primeiro Secretário da ANPEd, Paulo Carrano, esclarece que a biblioteca Digital integrada ao Portal da Associação disponibiliza documentos e textos da ANPEd de forma concentrada e organizada. Conta com ferramentas de busca interna e também com a possibilidade de referenciar os documentos no portal, sendo assim, uma fonte externa (para o público em geral) e interna (equipe de trabalho e comunicação) de toda a Memória Digital da Associação. A biblioteca encontra-se integrada também às distintas instâncias da ANPEd (GTs, FORPREd, FEPAE, Comitê Científico) permitindo a indexação de seus documentos em seus espaços próprios no portal.

O acervo foi encaminhado inicialmente no ano 2000 ao PROEDES - um dos centros de referência mais relevantes do país na área da História da Educação -, contando a partir de então com dedicado e complexo trabalho de separação, cuidado e catalogação de mais de 10 mil documentos referentes às Reuniões Anuais e à gestão da Associação desde 1976. Tal trabalho foi coordenado pela professora Maria de Lourdes de Albuquerque Fávero.

 

"Tratar das instituições a partir de suas histórias e memórias nos remete ao passado delas e exige de nós o cuidado na volta a este passado, sobretudo tendo a clareza da distinção entre história e memória. Quando falamos em memória estamos nos reportando a algo vivo, que se reconstitui a cada momento quando mobilizada para dizer de algo, enquanto a História é escrita e impessoal. A primeira não está presa a regras, por isso dissemos que ela é reconstruída a cada vez que se busca lembrar dos fatos. Já a segunda, está cercada por um rigor metodológico, inclusive buscando fontes para se apoiar, o que não significa perder sua potencialidade de manter a perspectiva da dúvida ou o questionamento permanente às fontes", analisa Maria Margarida Machado, ex-presidente da ANPEd (2013-2015) que assinou o termo de cooperação à época.

O tratamento do acervo documental segue na coordenação da Professora Dra. Maria de Lourdes Fávero - fundadora e pesquisadora honorária do Proedes/FE/UFRJ. O trabalho tem sido desenvolvido com a total dedicação da pesquisadora responsável e com o apoio de bolsistas que auxiliam nas inúmeras tarefas que constituem a organização de acervos documentais de instituições, com o nível de complexidade e volume de fontes, como é o caso da ANPEd. "Os relatórios periódicos apresentados à diretoria da Associação oportunizam a tomada de decisões sobre a melhor forma de disponibilizar a documentação que está sendo tratada. O acervo ANPEd no PROEDES, mesmo ainda em fase de organização, já contribuiu com pesquisadores nacionais e mesmo de outros países que buscam ali as diferentes fontes documentais para diversas pesquisas cujas temáticas são relacionadas a educação brasileira", conta Machado.

Segundo a ex-presidente da ANPEd, a riqueza de informações presentes no acervo da dá-se, sobretudo, porque a história da Associação confunde-se com a própria história da pós-graduação stricto sensu no país. "Ambas têm sua origem no duro período da Ditadura Militar e, em certa medida, contraditoriamente, são fruto e reação às posições assumidas pela política educacional daquela época. Os registros em atas, boletins, fotografias, vídeos, enfim, publicações diversas que buscam divulgar os resultados de pesquisa do campo educacional e as disputas em torno de um projeto de educação para o país, são uma referência para aqueles que buscam conhecer e seguir pensando o campo da Educação no Brasil nos seus mais diferentes aspectos acadêmicos e políticos."

  • Clique aqui e conheça mais sobre o trabalho do PROEDES.

Desenvolvimento científico e educacional no Brasil - SBPC

Conselheiro da ANPEd na SBPC, Nelson Pretto (UFBA) conta que a parceria entre as entidades se dá em diversos níveis. "O primeiro e mais importante é uma articulação mais intensa entre os sócios da ANPEd e a SBPC, já que esta é uma espécie de meta-associação, por congregar diversas outras associações. Assim o nosso grupo de Educação fortalece as ações da SBPC no campo da Educação e de todos os temas correlatos". Para ele, o papel da ANPEd, por ser uma entidade que se debruça de forma científica sobre os temas da Educação, subsidia de forma mais qualificada e contundente a atuação de tal sociedade, presença que precisa se intensificar cada vez mais para fortalecer ambos os lados.

Fundada em 1948, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) é uma entidade civil, sem fins lucrativos, voltada para a defesa, expansão e popularização científica e tecnológica, incluindo o desenvolvimento educacional e cultural do Brasil. A SBPC participa ativamente de debates sobre questões que determinam os rumos das políticas de C&T e da Educação no país, com assento permanente no Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia (CCT), órgão consultivo do Governo Federal para definição das políticas e ações prioritárias no campo - também possui representantes oficiais em mais de 20 conselhos e comissões governamentais. Ao todo, a entidade representa mais de 6 mil sócios ativos (entre pesquisadores, docentes, estudantes e cidadãos) e mais de 100 sociedades científicas associadas, dentre elas a ANPEd.

"Um dos desafios no campo da pesquisa é podermos fortalecer a área das ciências humanas e, neste campo, a Educação. A interlocução com outras associações cumpre o papel de afirmar a importância da pesquisa frente às agências de fomento e ao próprio Estado no planejamento das estratégias de desenvolvimento da pesquisa no país. Vejo que em especial a filiação da ANPEd à SBPC tem esta função de fortalecer a pesquisa no Brasil", analisa Andrea Gouveia.

Nelson Pretto conta que uma importante aproximação com benefícios diretos aos associados foi buscada nos últimos anos, estabelecendo a cobrança da anuidade da SBPC em conjunto com a das sociedades científicas, incluindo a ANPEd. "Nós implantamos isso e foi muito bom. Lamentavelmente a SBPC suspendeu temporariamente por razões burocráticas e administrativas, mas também políticas. Isso demandará de nós associados da ANPEd uma presença direta na SBPC, para que a gente possa ter direito a voz e voto e ter nossos representantes atuando de forma mais efetiva."

De toda forma, a parceria entre as entidades permitiu que este ano os associados da ANPEd pudessem integrar a SBPC se beneficiando de desconto na anuidade - a sociedade enviou diretamente boletos no valor de R$ 60, com prazo encerrado no dia 10 de fevereiro (o valor normal para professores de Ensino Superior, pesquisadores científicos e outros profissionais é de R$ 130). Neste novo formato, o pagamento de boleto de anuidade da ANPEd não mais traz a opção do acréscimo para a SBPC.

Para Nelson Pretto, é importante que os associados da ANPEd se façam presentes no dia a dia da SBPC, nas assembleias, votando e sendo votados. "Presentes portanto nas decisões do campo da Educação que a SBPC tem tomado e cobrando inclusive de nós conselheiros, para que tenhamos uma posição mais contundente e para que os rumos da SBPC coincidam com as demandas da Educação."

Em 2017 a entidade realiza sua 69a Reunião Anual, desta vez em Belo Horizonte (MG), na UFMG, entre os dias 17 e 22 de julho, com o tema "Inovação, Diversidade e Transformações". Clique aqui para mais informações. A ANPEd consta como proponente de uma mesa especial com o tema "Pós-Graduação no Brasil: Desafios e Perspectivas" - clique aqui e acesse a programação preliminar.

Ainda neste primeiro semestre ocorrerá a eleição para a nova diretoria da SBPC.

Ciências Humanas e Sociais

O Fórum de Ciências Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas (FCHSSA) foi criado com o intuito de articular os pesquisadoras e as pesquisadores que compõem essa grande área do conhecimento do Sistema Nacional de Ciência e Tecnologia do país, promovendo o debate e a tomada de posição sobre os temas relativos às políticas e às práticas de pesquisa que afetam os pesquisadores, a comunidade científica e a sociedade brasileira. Atualmente é coordenado por Luciano Mendes, representando a Educação, por indicação da ANPEd.

"Consideramos que a ANPEd assumir a coordenação do Fórum é poder contribuir no fortalecimento deste grande campo de humanidades na defesa de condições adequadas para a pesquisa, a divulgação científica e a formação de pesquisadores", afirmou Gouveia no contexto da eleição de Mendes para o FCHSSA, em outubro de 2016. Por sua vez, em entrevista à época, Luciano Mendes apontou que essa presença da ANPEd à frente do fórum também reflete o peso e atuação da Associação no âmbito da SBPC e da própria Educação. "A área de Educação é a que a possui maior número de pesquisadores e alunos, terceira maior em cursos de pós-graduação. É a área de maior capilaridade", disse o professor da UFMG.

O fórum tem desde então se articulado e se posicionado de forma veemente em defesa da área, a exemplo dos debates em torno da Ética na Pesquisa.

Pesquisadores na língua portuguesa  - FORGES

Sediada na Universidade de Lisboa (Portugal), a Associação Fórum da Gestão do Ensino Superior nos Países e Regiões de Língua Portuguesa (FORGES) busca enfrentar o desafio de desenvolver e implementar políticas de qualidade na gestão das instituições de ensino superior, de modo a melhorar as condições de produção e incrementar a empregabilidade dos estudantes. Dentre os seus pilares está a articulação de uma rede de pesquisadores e acadêmicos, dirigentes e técnicos, visando um intercâmbio de experiências a partir do estudo e investigação na área de Educação. Nesse sentido a entidade internacional e a ANPEd assinaram no dia 30 de novembro de 2016, na Unicamp, em São Paulo, um protocolo de colaboração.

"O documento tem por finalidade o estabelecimento de mútua colaboração na área de pesquisa e cooperação técnico-científica, visando a execução de projetos ou programas acadêmicos e culturais na área da gestão da educação", explica Vera Jacob (UFPA), vice-presidente da ANPEd pela região Norte. O protocolo possibilitará a aproximação com pesquisadores de outros países e regiões de língua portuguesa que integram a Associação FORGES nos seguintes países: Portugal, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Guine-Bissau, Angola, Brasil, Moçambique, Timor Leste e Macau, assim como nos países da África e Ásia.

Dentre os itens firmados no documento estão o desenvolvimento conjunto de projetos internacionais de cooperação institucional; o intercâmbio de informações, de documentação e de publicações científicas; a organização conjunta de conferências, seminários, simpósios e demais eventos relacionados aos temas das políticas de administração educacional e da gestão do Ensino Superior e de demais interesse das partes.

"Acredito que esse tipo de parceria fortalece a ANPEd na medida em que possibilita a inserção da entidade em espaços fora do país, em especial com África e Portugal, além do fato da língua favorecer o intercâmbio de pesquisadores na área da educação desses países nos eventos da ANPEd, ampliando a internacionalização da pesquisa em educação desenvolvida no Brasil", analisa Vera Jacob.

O fórum realiza uma conferência anual, que este ano ocorrerá em Moçambique, na Universidade Eduardo Mondlane, em Maputo - clique aqui para mais informações. Também constam entre suas atribuições a edição de uma revista eletrônica, de uma newsletter, a promoção de estudos sobre o ensino superior, o desenvolvimento e validação de séries estatísticas sobre o ensino superior nos países de língua portuguesa, a organização de cursos de pós-graduação sobre a gestão universitária e a incrementação de estágios e visitas de formação.

Associações de Educação de todo o mundo em rede - WERA

Constituída no ano de 2009 em San Diego, Califórnia (EUA), a World Education Research Association (WERA) é uma entidade que congrega associações regionais, nacionais e internacionais de pesquisa em educação, visando o avanço e o intercâmbio entre elas. A aproximação da ANPEd com a WERA se deu em 2007 por iniciativa da Profa. Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva (UFSCar), com ampliação do debate em torno do tema na gestão 2013-2015. Na atual gestão (2015-2017), foi estabelecida uma efetiva associação da ANPEd como sócia institucional, ao lado de outras 21 entidades de países como Japão, México e África do Sul. A partir de então a ANPEd integra o Conselho da WERA, tendo como representante a Profa. Geovana Mendonça Lunardi (UDESC).

"Isso possibilita a interlocução com diferentes associações de pesquisa em Educação no mundo, ajudando no processo de internacionalização da ANPEd e favorecendo articulações que podem gerar redes de pesquisa e a participação em iniciativas mundiais. Além disso, ocupar esses espaços científicos ajuda a imagem da produção científica em Educação no Brasil e impulsiona a circulação de nossos pesquisadores por estas redes", explica Lunardi, que ressalta também a possibilidade de se conhecer a forma de produção e difusão da pesquisa em contextos tão diferentes do Brasil, como na Ásia e na Escandinávia.

Um dos objetivos da WERA é fortalecer uma Associação das Associações de Pesquisa em Educação das Américas, proposta da qual a ANPEd tem sido uma grande parceira e entusiasta. Segundo Lunardi, os desafios ainda são muitos para uma rede internacional de cooperação. "O primeiro deles tem sido a própria identificação das associações para compor essa rede. Do Brasil apenas a ANPEd é associada. Na América Latina temos um conjunto de países representados, mas com concentração no Hemisfério Norte. A diversidade é grande, entretanto entendemos que é preciso dar ainda mais visibilidade ao Brasil e a a América latina em associações desta natureza."

E a atuação da ANPEd já acontece de forma intensa junto a WERA, tendo organizado cinco simpósios temáticos que ocorrerão na Reunião Anual da Associação Americana (AERA), em San Antonio, Texas (EUA), entre os dias 27 de abril e 02 de maio. Na ocasião também acontecerá a reunião do conselho da WERA e o II Encontro das Associações Americanas de Pesquisa em Educação, no qual a ANPEd estará presente.

A WERA promoverá entre os dias 30 de novembro e 02 de dezembro seu Encontro Focal (Focus Meeting). Aberto a todos pesquisadores individuais, o congresso está com chamada de trabalhos aberta até 19 de maio (clique aqui para mais informações). "Gostaríamos muito de estimular todos os nossos sócios individuais a participarem", diz Geovana Lunardi. A ANPEd buscará desenvolver propostas de simpósios assim como ocorreu para a AERA. Outro projeto que conta com a atuação da ANPEd é o "Pesquisadores Emergentes", na qual a WERA fomenta o desenvolvimento de jovens doutores em início de carreira, colocando-os numa rede internacional - a ANPEd irá definir uma representação institucional para essa seção.

Por sua vez, na 38a Reunião Nacional da ANPEd, em outubro deste ano em São Luís do Maranhão, serão promovidos os Simpósios WERA, formato que a entidade internacional leva aos encontros de suas associações filiadas.

"A proposta da WERA é de ser uma organização mundial de pesquisadores em educação. A relação da ANPEd é de filiação, ou seja, ao ingressarmos na WERA temos o desafio de também construir esta rede. A estrutura de grupos de pesquisa, encontros e trânsito de informações pode potencializar a nossa organização em um encontro que esperamos profícuo para novos diálogos entre pesquisas", afirma Andrea Gouveia.

Para a presidente da ANPEd, O trabalho dos pesquisadores no Brasil é forte e de qualidade, porém o debate sobre relações internacionais na produção de ciência tem ficado refém de métricas estreitas, que por vezes, não expressam a fecundidade do trabalho. "Estabelecer relação com associações internacionais e associações de outros países pode nos ajudar a ressignificar o que é internacionalização da pesquisa de modo a que este seja um processo de valorização do trabalho de todos", defende Gouveia.

Educação na América Latina - CLACSO

A programação da 38a Reunião Nacional da ANPEd deste ano - 01 a 05 de outubro em São Luís do Maranhão - contará com duas sessões dos "Colóquios CLACSO", tradicionalmente organizadas pelo Conselho Latinoamericano de Ciências Sociais, promovendo qualificados debates sobre a realidade de países vizinhos e refletindo uma parceria duradoura, além da 10a edição do Ciclo de Cinema CLACSO-ANPEd. Para a presidente da ANPEd, "as inúmeras relações que os pesquisadores da educação brasileiros estabelecem com pesquisadores de outros países e com as diferentes agências de financiamento locais são uma demonstração da força da área, mas quando podemos também mostrar qual o nosso tamanho como coletivo de pesquisadores organizado, podemos estabelecer relações ainda mais fortes". Segundo Andrea Gouveia, a ideia é que os associados da ANPEd também possam ajudar a construir esta rede de relações. "Ou seja, com protocolos assinados com diferentes associações queremos ampliar a troca de informações que ajudem a estabelecer encontros de pesquisa e entre os pesquisadores. A nossa experiência com a CLACSO, que vem de longa data, mostra nas reuniões nacionais da ANPEd a fecundidade de tais encontros."

Com 587 instituições de pesquisa e pós-graduação associadas em 46 países, o CLACSO é uma entidade internacional não-governamental criada em 1967, com sede em Buenos Aires (Argenina), com status associativo na Unesco. Dirigida desde 2012 pelo argentino Pablo Gentili, o conselho tem entre seus objetivos promover a investigação social para o combate à pobreza e à desigualdade, fortalecimento os direitos humanos e a participação democrática; promover políticas de desenvolvimento sustentável em termos econômicos, sociais e ambientais; fazer pontes entre a pesquisa social e as políticas públicas; apoiar a formação de redes de pesquisadores e instituições que atuam no campo das ciências sociais e humanas; fortalecer os processos de internacionalização acadêmica na América Latina e Caribe; ampliar a cooperação e o diálogo acadêmico sul-sul e norte-sul. Dentre os coordenadores gerais do CLACSO já esteve o brasileiro Emir Sader (2006-2012).

  • Clique aqui e conheça mais sobre a atuação do CLACSO. 

Portugal - SPCE

A ANPEd também mantém bons laços com Portugal através da SPCE - Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação. Constituída há mais de duas décadas, a associação congrega todas as pessoas que, de acordo com o previsto nos seus Estatutos, têm funções educativas e formativas e que, em diferentes situações e atividades, contribuem para afirmar a importância das Ciências da Educação como campo de produção e de difusão de conhecimento, de reflexão e de intervenção. O intercâmbio e a colaboração entre pares, com destaque para os países lusófonos e iberoamericanos, é um dos pilares da entidade.

 

Leia Também

Institucional