Manifesto GT 07 | Avaliação da Educação Infantil e a nova portaria da Política Nacional de Avaliação da Educação Básica: indefinições e riscos

A Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (Anped), por meio do Grupo de Trabalho “Educação de Crianças de 0 a 6 anos”, manifesta seu repúdio a quaisquer iniciativas de avaliação em larga escala das crianças matriculadas na Educação Infantil, por meio de instrumentos que visem aferir domínio de competências e habilidades.

Assim, alerta para os riscos da recente Portaria publicada pelo Ministério da Educação (Portaria nº 458, de 5 de maio de 2020), que institui normas complementares necessárias ao cumprimento da Política Nacional de Avaliação da Educação Básica, para a Educação Infantil.

A referida Portaria, ao estabelecer normas relativas ao Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), adequadamente abrange todas as etapas que compõem a Educação Básica: a Educação Infantil; o Ensino Fundamental e o Ensino Médio. No entanto, em relação à Educação Infantil não há qualquer inciso que explicite como esta deverá ocorrer e, portanto, não demarca atributos concernentes a essa etapa educacional e à sua avaliação no âmbito das políticas públicas de educação.

A ausência de dispositivos que definam o delineamento da avaliação na Educação Infantil pode resultar em proposições que desconsiderem as concepções de Educação Infantil e de avaliação presentes: i) na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei n.9394/96), ii) nas Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Infantil (DCNEI - Resolução CNE/CEB nº 5/2009), que tem como eixos estruturantes do currículo desta etapa as interações e a brincadeira, por meio das quais as crianças constroem e apropriam-se de conhecimentos e iii) no Plano Nacional de Educação (Lei n° 13.005/2014), que prevê avaliação das condições de oferta da Educação Infantil.

Em que pese os esforços para melhoria das condições de acesso e oferta da Educação Infantil no país, são ainda precárias e desiguais as condições estruturais vigentes nas creches e pré-escolas, as quais condicionam, de modo determinante, a qualidade da educação ofertada às crianças. Destaca-se, ainda, que às desigualdades presentes entre os sistemas educacionais e no interior destes somam-se desigualdades sociais, que se refletem na concretização do direito à educação de qualidade para todas as crianças.

Caso venha a se aplicar à Educação Infantil o que normatiza a Portaria nº 458/2020, ao estabelecer que o Saeb “será realizado anualmente, com caráter censitário, tendo como objetivo aferir o domínio das competências e das habilidades esperadas ao longo da educação básica, de acordo com a Base Nacional Comum Curricular - BNCC e as correspondentes diretrizes curriculares nacionais”, provavelmente as crianças que não se saírem bem nessa avaliação serão culpabilizadas pelo seu fracasso, bem como os seus professores e as suas professoras. Acrescenta-se o fato de que a abstração das condições estruturais de sua produção pode interferir na consequente rotulação e estigmatização das mesmas, a exemplo do que estudos e pesquisas têm demonstrado, ao longo dos anos, em relação às demais etapas da educação básica. Além disso, encaminhamento dessa natureza contraria frontalmente todas as normativas vigentes relativas à Educação Infantil.

Em conclusão, a Anped considera inaceitável qualquer perspectiva de adoção de uma avaliação em larga escala de competências e habilidades de crianças, em creches e pré-escolas, no âmbito do Saeb, uma vez que o objetivo maior da Educação Infantil, conforme consta na LDB, é o desenvolvimento integral das crianças. Esse processo não acontece de forma homogênea entre as crianças. Portanto, a Anped solicita que o MEC dê continuidade, por meio do Inep, às proposições de avaliação da oferta e do acesso à Educação Infantil que vinham sendo construídas em diálogo com pesquisadores e pesquisadoras e representantes de movimentos sociais da área, que resultaram em uma primeira iniciativa, realizada em 2019, no levantamento de informações, por meio de questionários contextuais, aplicados em caráter amostral, a dirigentes das secretarias e de instituições de Educação Infantil, bem como aos professores e às professoras que nelas atuam.

 

Leia Também

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Educação