Saberes e Fazeres de Ceramistas Fluminenses e Pernambucanos

Descrição: 

Histórias separadas por mais de dois mil quilômetros, mas que envolvem uma só técnica. O filme da professora Fátima Branquinho explica o que é cerâmica através de outras vozes. Relatos que vem desde as capitais fluminense e pernambucana até o interior dos dois estados. Experiências que envolvem relações de vida, comércio, comunidade e arte no barro. A diversidade do filme mostra a pluralidade de significados do que é essa técnica. Fátima fala sobre que novas definições os relatos trazem. “Os relatos revelam o quanto a terra, o barro, o sol, o vento e os ceramistas são indissociáveis. Em outras palavras, revelam a indissociabilidade entre cultura e natureza, sujeito e objeto. Revelam como uma parte da humanidade dos ceramistas é constituída pela inumanidade da cerâmica”, contou. A professora também defende o uso dessa e de outras técnicas como uma ferramenta da Educação. “A pesquisa permite a elaboração da hipótese de que os objetos técnicos e científicos produzidos pelas sociedades científicas as organizam, assim como seus modos de vida, trabalho, visão de mundo. Isso significa que a ciência pode favorecer o planejamento de práticas educativas mais democráticas, sem espaço para a hierarquização dos diferentes modos de conhecer”, disse.