A incorporação da Educação Infantil no Sistema de Avaliação da Educação Básica | por Ângela Scalabrin Coutinho e Cláudia Oliveira Pimenta

Ângela Scalabrin Coutinho[1] - Professora na Universidade Federal do Paraná

 

Cláudia Oliveira Pimenta[2] - Assistente de Pesquisa na Fundação Carlos Chagas

Nos dias 28 e 29 de junho de 2018 ocorreu, em Brasília, o Seminário Internacional Estatísticas Educacionais e Avaliação da Educação Básica[3], promovido pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). No evento foram anunciadas as mudanças que estão sendo encetadas no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (SAEB), sob a coordenação da Diretoria de Avaliação da Educação Básica (Daeb). A inclusão da Educação Infantil é uma dessas mudanças.

De acordo com os membros da Daeb, a Educação Infantil será avaliada por meio de questionários eletrônicos que serão aplicados de forma censitária à educadoras(es), gestoras(es) das instituições e dirigentes municipais e estaduais das redes públicas de ensino. As instituições privadas de Educação Infantil poderão aderir à avaliação, da mesma maneira como as escolas privadas que atendem às demais etapas educacionais aderem às avaliações do Saeb. Cabe destacar que parte das informações a serem analisadas na avaliação será coletada em bases de dados nacionais em que há informações sobre a educação infantil, como é o caso do Censo Escolar e do Plano de Ações Articuladas – PAR.

No momento, a Matriz de Referência da avaliação está sendo analisada por uma comissão de especialistas e, no segundo semestre de 2018 será pré-testada, por meio de amostragem, para posteriores ajustes. Em 2019, a avaliação será aplicada – oficialmente – pela primeira vez, juntamente com as demais avaliações do Saeb, também no segundo semestre.

As dimensões que compõem a Matriz são: condições de acesso e oferta; condições de infraestrutura; insumos e recursos materiais; profissionais da educação infantil; gestão dos sistemas educacionais; gestão das unidades escolares; e acessibilidade. Não está prevista a avaliação das crianças.

A necessidade de avaliar a educação infantil em nosso país vem sendo ensejada a partir da promulgação da Constituição Federal de 1988 e do estabelecimento da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n. 9394/96), de 1996. De lá para cá, uma série de documentos norteadores da etapa foram construídos – na maioria das vezes com contribuições de estudiosas e estudiosos do campo da educação infantil – e publicados pelo Ministério da Educação (MEC), com indicações de critérios e padrões de qualidade que são desejáveis para a educação das crianças pequenas. Também os Planos Nacionais de Educação, tanto o que vigeu de 2001 a 2010, quanto o estabelecido pela Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014, preveem a implantação de avaliação da etapa.

            Iniciativas nesta direção vêm sendo conduzidas pela esfera federal, desde 2009, com a publicação dos Indicadores da Qualidade na Educação Infantil. Em 2011, tivemos a formação do Grupo de Trabalho (GT) que elaborou o documento Educação Infantil: subsídios para a construção de uma sistemática de avaliação, publicado em 2012, pelo MEC e que contou com a participação de diferentes entidades, como a Associação Nacional de Pós-graduação em Educação (ANPEd), a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), a Rede Nacional Primeira Infância (RNPI), o Inep, entre outras.

            Conforme informações fornecidas pela equipe da Daeb, no seminário já citado, em 2013 ocorreram as primeiras normatizações da avaliação. Em 2014 o GT levantou, em conjunto com um consultor, as bases de dados que contêm informações sobre a educação infantil. Em 2016 foram realizados estudos internos, pela Daeb, para a formulação do documento básico da avaliação, registro de referencial teórico e instrumentos de pesquisa. Em 2018 foi instituída a Comissão de Assessoramento Técnico-pedagógico para análise e reformulação da matriz de referência dos questionários do Saeb, bem como para análise da matriz da avaliação da educação infantil.

            A avaliação dessa etapa educacional permitirá elaborar um retrato da Educação Infantil em cada rede municipal, revelando as desigualdades que marcam a oferta de creches e pré-escolas em nosso país, como já mostram os dados apresentados pelo Inep no Relatório do 2º ciclo de monitoramento das  metas do Plano Nacional de Educação – 2018 e contribuirá para o redimensionamento das ações no âmbito das políticas e das instituições, com o propósito de melhorar a qualidade e assegurar que os direitos de todas as crianças sejam atendidos.

            Sabe-se que municípios brasileiros já vêm implementando iniciativas de avaliação da educação infantil, em muitos casos, com foco no desenvolvimento e/ou aprendizagem das crianças (BAUER et al, 2016[4]; PIMENTA, 2017[5]), o que contradiz as indicações presentes no arcabouço legal vigente, de que a avaliação das crianças deve ser realizada pelas professoras, no âmbito das instituições. Espera-se que a avaliação a ser implantada pelo Inep possa levar os municípios a reverem seus desenhos avaliativos e enfocarem dimensões consideradas relevantes para a melhoria da qualidade da etapa.

[1] Professora na Universidade Federal do Paraná (UFPR) e membro da Comissão de Assessoramento Técnico-Pedagógico especializada em questionários para aferir a qualidade da educação básica (INEP).

[2] Assistente de Pesquisa na Fundação Carlos Chagas (FCC), Professora de História na Rede Estadual de Ensino de São Paulo (REE/SP) e membro da Comissão de Assessoramento Técnico-Pedagógico especializada em questionários para aferir a qualidade da educação básica (INEP).

[3] O link para acesso ao seminário é:  https://www.youtube.com/watch?v=xgSdJrgKac8

[4] BAUER, Adriana; HORTA NETO, João Luiz; SOUSA, Sandra Zákia; VALLE, Raquel. Avaliação e Gestão Educacional em Municípios Brasileiros: mapeamento e caracterização de iniciativas em curso. Relatório Final. FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS; INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS – ANÍSIO TEIXEIRA. São Paulo: FCC/INEP, 2016.

[5] PIMENTA, Cláudia Oliveira. Avaliações municipais da educação infantil: contribuições para a garantia do direito à educação das crianças brasileiras?. 670p. Tese (Doutorado), Curso de Educação, Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP), 2017.

Leia Também

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Educação