Em ofício, ANPEd questiona Capes sobre metodologia de distribuição de recursos de custeio dos Programas de Pós-Graduação

 

A ANPEd enviou nesta quarta-feira (8 de junho) ofício ao Presidente da Capes, Abilio Baeta Neves, em que demonstra preocupação com relação à definição de metodologia para distribuição de recursos de custeio dos Programas de Pós-Graduação. O documento também foi encaminhado aos Pró-Reitores de Pesquisa e Pós-Graduação das Universidades Públicas.

O ofício, assinado pela presidente da ANPEd, Andrea Gouveia, e por José Gonçalves Gondra, coordenador do Forpred, destaca a importância dos recursos de custeio nos âmbitos dos programas, a necessidade imperiosa de consulta à comunidade acadêmica em mudanças na metodologia, assim como uma nova atribuição à Educação no PNPG para que os programas da área passem à prioridade 1 nos critérios de distribuição de recursos da CAPES. "Destacamos a importância dos recursos de custeio no âmbito dos programas e entendemos que dar transparência e objetividade aos critérios de financiamento é altamente relevante, porém o compromisso que o país deve ter com a valorização e qualificação da educação pública exige que a área de educação, também na pós-graduação, tenha um tratamento equânime que propicie fortalecimento do conjunto da educação nacional. Frente a estes elementos, solicitamos a retomada do debate sobre a metodologia de distribuição de recursos de custeio dos programas de pós-graduação, com participação das sociedades científicas."

   - Clique aqui e acesse documento atualizado do estudo de João Batista Carvalho Nunes, focalizando a situação dos Programas 6 e 7 da área de educação.

  • Clique aqui e confira também notícia que relata reunião do Diretório Nacional do Fórum Nacional de Pró-Reitores com o presidente da Capes, na qual se explicita o posionamento do Foprop igualmente contrário ao cálculo de mediana de alunos.

 

Ofício Anped-033/2016 Rio de Janeiro, 08 de junho de 2016

Ao Presidente da CAPES

Aos Pró Reitores de Pesquisa e Pós-Graduação das Universidades Públicas

Vimos por meio deste apresentar um conjunto de preocupações relativas à definição de metodologia para distribuição de recursos de custeio dos Programas de Pós-Graduação.

Após recebermos as informações sobre a metodologia em questão, fizemos uma análise das condições específicas dos programas de Pós-graduação em Educação que enviamos em anexo a este ofício (documento elaborado pelo Prof. Dr. João Batista Carvalho – Universidade do Estado do Ceará). Frente ao tamanho, especificidade e complexidade da área ponderamos que:

1) O teto a partir da mediana do número dos alunos por programa desconsidera a especificidade das áreas, em especial a de educação, que tem programas com perfis muito distintos em termos de número de alunos.

2) A área da educação é uma área em expansão. Entre 2010 e 2015 a matrícula de doutorado cresceu em 48% e no mestrado cresceu 20%, em sintonia com o que se encontra estabelecido no PNPG. Ao mesmo tempo, as metas aprovadas no Plano Nacional de Educação, além da expansão pretendida para todo o sistema de pós-graduação, estabelecem para os programas de educação o desafio de qualificar um grande contingente de profissionais da educação básica.

3) A definição de prioridades entre as áreas para distribuição de recursos significou uma diminuição da participação dos recursos da área de ciências humanas de 15% do total em 2015, para 5% do total de 2016.

4) A decisão de utilizar a mediana do número de alunos do conjunto do sistema nacional de pós-graduação pode induzir a constituição de um determinado modelo de programas; o que pode ser inadequado para várias áreas. Uma medida de fomento que induz a uma conformação dos programas que não foi discutida com a comunidade acadêmica sem que se saiba as consequências ou a pertinência em termos de impacto na estrutura e funcionamento das universidades e áreas de conhecimento, merece ser revista.



Destacamos a importância dos recursos de custeio no âmbito dos programas e entendemos que dar transparência e objetividade aos critérios de financiamento é altamente relevante, porém o compromisso que o país deve ter com a valorização e qualificação da educação pública exige que a área de educação, também na pós-graduação, tenha um tratamento equânime que propicie fortalecimento do conjunto da educação nacional. Frente a estes elementos, solicitamos a retomada do debate sobre a metodologia de distribuição de recursos de custeio dos programas de pós-graduação, com participação das sociedades científicas. Ademais, parece-nos coerente com a importância atribuída à Educação no PNPG que os programas da área passem à prioridade 1 nos critérios de distribuição de recursos da CAPES.

Diretoria da ANPED

Andrea Barbosa Gouveia - Presidenta

_

Coordenação do FORPRED

José Gonçalves Gondra - Coordenador

Leia Também

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Posicionamentos da ANPEd

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Educação

Posicionamentos da ANPEd