ANPEd envia manifestação sobre manutenção dos Programas de Pós-Graduação ao MEC, MF, CNPq e Capes

Ofício ANPEd no 026/2016 - ASSUNTO: Manifestação Manutenção dos Programas de Pós-Graduação 2016

Ao Ministro da Educação – Exmo. Sr. Aloízio Mercadante 

Ao Ministro da Fazenda – Exmo. Sr. Nelson Barbosa

Ao Presidente da CAPES – Sr. Carlos Nobre
Ao Presidente do CNPq – Sr. Hernan Chaimovich Guralnik

A Associação de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação – ANPEd, representando seus sócios individuais e institucionais, reunidos no Fórum Nacional de Coordenadores de Programas de Pós-Graduação em Educação da ANPEd — Forpred, vem por meio desta manifestar sua extrema preocupação com as condições de manutenção dos programas de pós- graduação. O desenvolvimento do país não pode prescindir do investimento na formação de pesquisadores e na produção científica contínua, autônoma e de qualidade.

Os cortes anunciados no contexto do contingenciamento do orçamento da União para 2016 somam-se agora ao atraso na execução do orçamento que compromete a qualidade do trabalho nos programas de pós-graduação.

Ainda estamos sob os efeitos negativos dos cortes realizados no ano de 2015 no âmbito da pesquisa e da pós-graduação. A organização dos Programas foi duramente prejudicada com a liberação do PROAP apenas em junho de 2015, e em valores aquém dos necessários para o devido financiamento de bancas, participação de nossos pós-graduandos em eventos e demais demandas para o funcionamento da pós-graduação. Não é ocioso dizer que o cenário novamente de corte e atraso no repasse dos recursos do PROAP agrava a situação.

Alia-se a isto a retração evidente dos editais de financiamento à pesquisa, com o fechamento de editais e adiamento, sem perspectivas de resultados, de editais abertos. A descontinuidade de programas como auxílio à participação em eventos no exterior, cotas institucionais de doutorado sanduíche do Programa de Estágio de Doutorado Sanduíche no Exterior (PDSE), Observatório da Educação, Parfor, Prodocência e Cooperação Internacional são elementos de muita preocupação, pois ferem o fluxo da produção científica brasileira, provocando quebras na rotina de pesquisa e pós-graduação que certamente levarão tempo para retomar os avanços no melhor nível de produtividade.

Devemos lembrar que estamos no ano de encerramento do ciclo quadrienal de avaliação da Pós-Graduação e a ausência de recursos ou a diminuição destes, precisa ser revertida para que à luz dos desafios do Plano Nacional de Educação e do Plano Nacional de Pós-Graduação, o país possa assegurar autonomia, soberania e a qualidade na pesquisa que contribua para um o desenvolvimento com justiça social.

Frente à isto solicitamos ao Ministério da Fazenda, ao Ministério da Educação, à CAPES e ao CNPQ que os recursos de pesquisa e de desenvolvimento da Pós-Graduação retomem urgentemente seu fluxo de regularidade de maneira a garantir a execução orçamentária prevista para 2016 na íntegra. Destacamos a necessidade de que a previsão orçamentária para 2017 seja incrementada, tomando por referência a previsível expansão interna dos programas e do próprio Sistema de Pós-Graduação Nacional.

Diretoria da ANPED Biênio 2015-2017
Gestão “Resistência e Movimento”

Presidente: Andréa Barbosa Gouveia (UFPR)

Rio de Janeiro, 06 de maio de 2016.

Leia Também

Posicionamentos da ANPEd

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Ética na Pesquisa

Posicionamentos da ANPEd

Educação